Você está aqui:  / Blog Editora-Chef / O futuro da culinária com a tecnologia vestível

O futuro da culinária com a tecnologia vestível

EduardoGarcia

Eduardo Garcia é um chef que perdeu o braço e agora usa próteses mecânicas avançadas para continuar buscando sua paixão: a comida. Em 2011, o personal chef e fundador do site Montana Mex foi acidentalmente eletrocutado durante uma caminhada e acabou perdendo parte de seu braço esquerdo. Desde então, ele tem experimentado uma variedade de próteses digitais e mecânicas.

Ele disse ao The Creators Project: “Uma parte de mim sempre quis esta tecnologia vestível no estado mecânico até que fosse desenvolvido algo totalmente novo.” Para ele, a tecnologia deve ser “ao ponto”: quando se trata de cozinhar, precisa de algo que seja hiper-sensível, adaptável e que possa ser ao mesmo tempo forte e delicado. Deve ser suave para que possa colher uma suculenta fruta sem esmagá-la e, logo em seguida, alternar rapidamente a mecânica para cortar, por exemplo, um bife duro. Simplificando, ele necessita de uma tecnologia que ainda não existe.

“A comida é muito sensual”, diz Garcia. “Você tem que ser suave mas firme, ao mesmo tempo, e isso é realmente difícil de se fazer com um gancho de titânio controlado pelo corpo”, explicou.

Uma vez que ele tem a necessidade de usar uma única prótese o dia todo, o chef descobriu maneiras de se adaptar usando a tecnologia disponível, mas imagina um futuro onde os vestíveis serão melhorados digitalmente. No entanto, ele também não vai sacrificar quaisquer usos utilitários. “Se o equipamento não atender minhas necessidades imediatas eu não vou usá-lo”, afirma.

No universo da tecnologia vestível, Garcia é inspirado pelos dispositivos atualmente disponíveis para amputados, mas para um chef cujas mãos estão constantemente fora e dentro da água e enfrentando constantemente variações climáticas (seja fornos quentes ou freezers) — usar um dispositivo computacional é um risco: uma única gota de água poderia fritar sua prótese.

No documentário mostrado no vídeo, o chef discute o vestível ideal para um mestre de ervas e especiarias como ele. “Se eu tivesse que sonhar com alguma coisa, seria com uma prótese muito resistente, de auto-fixação e que tenha sensibilidade total ao toque e temperatura”, disse ele. Ele quer uma ferramenta mais rápida, mais adaptável e que lhe ofereça a capacidade de multi-tarefa, sendo possível sentir tudo o que está acontecendo no processo culinário.

Baseando-se nestas adaptações, Garcia imagina uma prótese que tenha uma tela de LED que possa exibir leituras de pH e avisos instantâneos de contaminação. Dedos equipados com ventosas que garantam que até mesmo os alimentos escorregadios não sejam uma ameaça.

Garcia é aberto a experimentar qualquer vestível, e ele está otimista sobre o futuro da tecnologia.

É aquariana, curiosa, jornalista e tem uma infinidade de interesses — entre eles, a culinária. Não é chef (nem pretende ser) mas a necessidade de morar sozinha a fez experimentar a alquimia das panelas e descobrir que o fogão não é um bicho de quatro bocas.

O que você achou? Tem alguma dúvida? Fez e quer comentar? Fique a vontade para escrever também.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Arquivos



mytaste.com.br


Acompanhe nosso instagram

%d blogueiros gostam disto: