Você está aqui:  / Dicas da Nutri / Carboidrato engorda?

Carboidrato engorda?

Uma das perguntas mais comuns quando se fala em reeducação alimentar é se carboidrato engorda. Antes de responder à pergunta, vamos entender melhor o que são carboidratos e como ele é consumido pelo nosso organismo.

Os carboidratos fazem parte dos macronutrientes da nossa alimentação, junto com proteínas e gorduras, sendo a principal fonte de energia para o corpo, especialmente para o cérebro.

Quando são digeridos, os carboidratos se transformam basicamente em glicose, que é transportada através do sangue. Com a ajuda da insulina, um hormônio secretado pelo pâncreas, a glicose vai para dentro das células e é utilizada como combustível, como energia para nosso organismo. Uma outra parte dessa glicose é levada para o fígado e para os músculos, formando um estoque de energia na forma de glicogênio. O que sobra dessa energia (quando os limites das células, fígado e músculos já foram atingidos) vai para um outro tipo de estoque: o tecido adiposo na forma de gordura.

Vale lembrar que isso também acontece com os outros macronutrientes. O que sobra do consumo de proteínas e gorduras, quando o nosso corpo não consegue mais aproveitar, vai para o tecido adiposo e é assim que aumentamos nosso estoque de gordura.

Para entender melhor como o nosso corpo aproveita os carboidratos, vamos dividi-los em 2 grupos: os simples e os complexos.

Os carboidratos simples são digeridos rapidamente pelo organismo, causando um pico de glicose no sangue, o que muitas vezes tem como destino final o estoque de gordura, já que o corpo não consegue utilizar nem armazenar tão rapidamente como glicogênio toda a glicose que ficou disponível no sangue. Além disso, eles podem causar um efeito rebote na fome, ou seja, o pico de açúcar no sangue pode cair muito rápido e nos causar uma sensação de fome incontrolável.

Por outro lado, alguns carboidratos simples podem ter um papel interessante para atletas, pessoas que praticam exercícios e quando estão combinados com outros alimentos. Alguns exemplos são: bebidas ricas em açúcar branco/refinado, pão feito com farinha branca e chocolate.

Já os carboidratos complexos, geralmente apresentam boa quantidade de fibras, são digeridos lentamente e fazem com que a liberação da glicose seja mais estável, evitando picos e fazendo com que o corpo consiga utilizá-la como fonte de energia e de estoque de glicogênio, e menos estoque de gordura, nos mantendo também mais saciados. Alguns bons exemplos são: pão feito com farinha integral e outros farelos ricos em fibras, tubérculos como batata doce e inhame, açúcar mascavo e açúcar de coco.

Então, respondendo à questão proposta no título desse post, se o carboidrato engorda, a resposta é que ele por si só não é capaz de nos “engordar”, ou seja, ele não vai direto para o estoque de gordura. O que faz com que o seu destino seja esse é o tipo de carboidrato, a quantidade consumida e todo um contexto envolvido: quando consumiu, quanto consumiu, se você é sedentário, se está estressado, se tem alguma alteração sanguínea ou no pâncreas (diabéticos, por exemplo) entre outros fatores.

Retirar totalmente o carboidrato da nossa alimentação não é a melhor escolha para a maioria das pessoas pois, como citado no início, ele é a nossa principal fonte de energia, em especial para o nosso cérebro. Esse tipo de restrição pode causar mal-estar, fadiga, perda de massa muscular (pois, na falta de glicose disponível, usamos nosso glicogênico estocado e também o tecido dos músculos na busca por energia) e produção de toxinas.

O melhor caminho é dar preferência por carboidratos complexos que, na maioria dos casos, são alimentos que também apresentam ótimo valor nutricional. Por outro lado, os carboidratos simples, quando combinados estrategicamente com outros alimentos, podem fazer parte do nosso dia-a-dia sem neuras. Por fim, dosar a quantidade e saber encaixar os carboidratos de forma inteligente e saudável na sua alimentação vai fazer toda a diferença.

É importante ressaltar que cada um possui as suas particularidades e o melhor é sempre procurar um nutricionista para uma orientação personalizada.

.

Raquel Labonia
é uma nutricionista completamente apaixonada pelo que faz e com intensa e incansável vontade de fazer a diferença no mundo. Motivada por essa inquietude, em 2015 criou a WellMove (abreviação de Wellness Movement), que representa um Movimento Pelo Bem-Estar em seu sentido mais amplo. Estar bem é a harmonia entre o nosso físico, mental e também o ambiente em que vivemos. Hoje, a WellMove se tornou uma Consultoria em Nutrição e Bem-Estar atuante em diversas áreas, que trabalha com projetos de qualidade de vida, sustentabilidade, comunicação e marketing nutricional e consultas particulares em consultório.

Categorias

Arquivos



mytaste.com.br


Acompanhe nosso instagram

%d blogueiros gostam disto: