You are here:  / Dicas da Nutri / Como escolher o melhor sal para manter uma alimentação saudável?

Como escolher o melhor sal para manter uma alimentação saudável?

2-salt-shutterstock-e1468956346856

Hoje em dia o que eu mais tenho escutado no consultório são questionamentos a respeito das diferenças entre os tipos de sal. Há uns anos, o único tipo de sal que tínhamos em casa era o sal de cozinha, mas com o passar dos anos outros tipos tem aparecido nas prateleiras do supermercado deixando muitas pessoas pessoas com uma grande interrogação na mente. Qual é a diferença de cada um deles?

Se você também não sabe as diferenças, então se atente a este artigo pois vou te explicar o que cada um deles faz ao nosso corpo e qual deles é o melhor para se ter em casa. Vem comigo!

O sal de cozinha passa por um processo de refinamento em que é retirada a maioria dos seus minerais, com a exceção de sódio e cloreto, e são acrescentados produtos químicos para sua “limpeza” e branqueamento. Um dos substitutos do sal de cozinha mais recomendados pelos profissionais de saúde é conhecido como “sal de ervas”. Este consiste em uma mistura de partes iguais de sal, orégano, manjericão, alecrim ou qualquer outra erva aromática seca. A mistura do sal com as ervas auxilia na diminuição da quantidade de sal utilizada nas preparações, podendo ser utilizado em substituição ao sal de adição (na mesma quantidade) em pratos quentes e saladas.

Existem ainda outros substitutos, como o sal marinho, o sal rosa do Himalaia e o sal light. O sal marinho é um produto mais puro que o sal de cozinha comum, pois não passa por processos de refinamento, fornecendo quantidade superior de minerais, mas com valores de sódio semelhantes ao sal de cozinha. O sal rosa do Himalaia também não passa pelo processo de refinamento e é rico em minerais. O sal light, por sua vez, é obtido a partir da mistura de 50% de cloreto de sódio e 50% de cloreto de potássio, o que lhe confere menor teor de sódio. Porém, indivíduos com restrição de potássio, como aqueles com doenças renais, devem ficar atentos, pois o consumo desse sal poderá aumentar a ingestão do mineral.

Já a flor de sal, são cristais um pouco mais resistentes derivados do sal marinho e por isso são mais delicadas. A diferença é o tipo da produção. Ela é seca no sol e colhida artesanalmente, mas não deixa de ser sal marinho e deve ter a mesma precaução de uso, já que o seu excesso também pode elevar a pressão arterial.

Aliás, o consumo excessivo de sódio atua como importante fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças crônicas, como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, doenças renais, síndrome metabólica e câncer gástrico. Estudos mostram que, mesmo uma modesta diminuição no consumo de sódio, pode proporcionar benefícios para a saúde. Mas, reduzir o consumo de sódio da alimentação não é simples. O mineral não está presente apenas no sal que adicionamos no preparo dos alimentos, ele também é utilizado em conservas, salmouras e está presente em grande quantidade dos alimentos industrializados prontos para consumo, inclusive em alimentos doces, como biscoitos recheados e refrigerantes.

Uma boa opção para reduzir o consumo de sal é o preparo caseiro do tempero de alho e sal. O alho oferece proteção cardiovascular decorrente de suas propriedades antioxidantes e hipocolesterolêmicas. Outra alternativa é o uso de ervas aromáticas e que podem ser cultivadas em casa. Os temperos “instantâneos”, como temperos prontos de alho e sal e os temperos industrializados para saladas e outros alimentos, não são recomendados por possuírem grandes quantidades de sódio e gorduras, além de outros aditivos.

Resumindo, a regra é não exagerar: seja qual for o substituto do sal escolhido, deve ser consumido em pequenas quantidades para temperar alimentos in natura e minimamente processados, lembrando que os alimentos processados e ultraprocessados devem ser evitados, pois possuem grandes quantidades de sódio.
.
Logo-Thaís-Lamonica-Nutricionista
.
.

 

Thaís Lamonica é nutricionista com foco de trabalho na reeducação alimentar e no emagrecimento. Escolheu estudar Nutrição pois queria ajudar as pessoas através de um fator que estivesse presente na casa de todo mundo – o alimento. Acredita que pode auxiliá-las a entenderem que se alimentando melhor podem ter mais qualidade de vida, autoestima e longevidade.

Foto: Reprodução

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

5 × 3 =

Categorias

Arquivos



mytaste.com.br


Acompanhe nosso instagram